Abordagem das Vias Aéreas no Paciente Traumatizado

Equipe Editorial Bibliomed

Lívio Suretti . Otaviano A. P. Freitas. . A certeza da perviedade das vias aéreas é o primeiro e mais importante passo na avaliação e tratamento do paciente traumatizado e deve ser providenciada antes da tomada de qualquer outra decisão. Esta etapa é prioritária pois a obstrução das vias aéreas com a conseqüente incapacidade de oxigenação do sangue é o evento que mais rapidamente mata o paciente. Vale ressaltar que neste momento a imobilização da coluna cervical é imprescindível e que para a obtenção de uma via aérea segura não é necessário a movimentação do pescoço do paciente.. . A primeira providência a ser tomada é reconhecer a obstrução da via aérea. . . Grupo de risco: Pacientes em coma (escala de coma de Glasgow abaixo de 8), com trauma maxilo facial, trauma penetrante da região cervical (hematoma em expansão, ruptura traqueal), ou obnubilados por uso de álcool e drogas formam um grupo de risco devendo ser abordados com alto índice de suspeita.. . Sinais objetivos: Agitação, obnubilação, que sugerem respectivamente hipoxemia e hipercarbia. A respiração ruidosa, com roncos, sugere a obstrução das vias respiratórias altas sendo um sinal de alarme para a necessidade imediata ...

Palavras chave: paciente, aérea, é, via aérea, via, vias, ser, vias aéreas, não, aéreas, cervical, obstrução, aérea cirúrgica, coluna cervical, oxigenação, cirúrgica, manobras, coma, manter, obstrução via aérea,

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados
Search_LibdocFree @SearchWordsAux='Abordagem das Vias Aéreas no Paciente Traumatizado paciente, aérea, é, via aérea, via, vias, ser, vias aéreas, não, aéreas, cervical, obstrução, aérea cirúrgica, coluna cervical, oxigenação, cirúrgica, manobras, coma, manter, obstrução via aérea, ',@type='ARTICLE', @libdocidant=1220, @max_rows=10, @key_rank=0


Assinantes


Esqueceu a senha?