Drogas Antiarrítmicas - Parte IV - Procainamida e Lidocaína

Equipe Editorial Bibliomed

Neste artigo:. - I - Procainamida - II - Lidocaína - Referências Bibliográficas. I - Procainamida. A procainamida é um derivado da procaína, com perfil farmacológico próximo ao da quinidina, utilizada longamente no tratamento das arritmias cardíacas. A procainamida é um importante tratamento contra arritmias supraventriculares e ventriculares agudas e crônicas há mais de 60 anos. A farmacologia clínica da procainamida tem sido estudada extensivamente e sua biodisponibilidade (75-95%); são conhecidos volumes de distribuição (1,5-2,5 litros por kg), ligação às proteínas plasmáticas (15-25%), intervalo para eliminação (3-7 horas) e metabolismo. A eficácia do procainamida contra arritmias ventriculares agudas e extra-sístoles ventriculares ​​crônicas estáveis está associada a concentrações plasmáticas de medicamentos de 4 a 10 microgramas por ml; mas concentrações plasmáticas muito mais altas podem ser necessárias contra arritmias ventriculares sustentadas. De 30 a 60% de uma dose de procainamida são excretados como metabólito, N-acetilprocainamida (NAPA), e o metabolismo do procainamida é determinado geneticamente (fenótipo de acetilação rápido ou lento). . Farmacologia.

Palavras chave: Procainamida, lidocaína, droga, prolongamento, dose diária total, arritmias ventriculares, infarto agudo do miocárdio, parada cardíaca extrahospitalar.

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados


Assinantes


Esqueceu a senha?