01 - Oportunidades para a mulher através da livre escolha reprodutiva

Equipe Editorial Bibliomed

No mundo inteiro, as mulheres têm esperanças quanto ao futuro: uma vida melhor para si próprias, instrução e prosperidade para seus filhos e segurança para suas famílias. Para superar a pobreza, falta de instrução e o limitado controle que têm sobre suas próprias vidas, obstáculos estes freqüentes à realização de suas esperanças, fazem-se necessárias várias mudanças sociais e econômicas. Mas as mulheres conseguem dar um grande passo à frente quando tomam suas próprias decisões reprodutivas, seja com relação ao casamento, sexo, procriação e anticoncepção.

A grande maioria das mulheres deseja controlar sua própria fecundidade. O uso crescente de anticoncepcionais em quase todos os países em desenvolvimento demonstra que a mulher, hoje em dia, realmente quer planejar sua gravidez. Muitas outras mulheres desejam espaçar ou limitar o número de filhos, porém não usam anticoncepcionais. Também os abortos, praticados em números cada vez maiores e, freqüentemente, de forma ilegal e perigosa, atestam a intenção da mulher de controlar sua própria fecundidade.

Como essa escolha reprodutiva pode melhorar a vida da mulher? A decisão sobre o rumo que se deseja dar à própria vida é uma afirmação da dignidade fundamental do ser humano. Portanto, o planejamento familiar é um direito humano básico, mesmo se nem todas as mulheres possam ainda exercê-lo. Além disso, quando a mulher determina a época e o número de filhos que deseja ter, ela assume o controle sobre o seu próprio bem-estar físico, emocional e econômico e, por conseqüência, contribui ao de seus filhos.

Saúde. Mais de meio milhão de mulheres morrem a cada ano por razões ligadas à gravidez. Muitas dessas mortes seguem-se a uma gravidez indesejada, pois entre 20% e 40% resultam de abortos feitos incorretamente. Se uma mulher deseja evitar a gravidez, o uso de anticoncepcionais permite evitar os riscos da gravidez e parto e de um aborto feito em condições perigosas.

Planejamento. Ao escolher quando deseja procriar e quantos filhos deseja, a mulher está na verdade, decidindo como deseja passar a maior parte de sua vida, ou seja, se vai continuar a estudar, se quer dar maior atenção aos filhos que já tem, como atender melhor às necessidades de seu próprio lar, talvez obter uma renda extra que lhe permita oferecer maior prosperidade à sua família, ou até contribuir mais à comunidade onde vive ou à sociedade como um todo. Existem vários estudos comparativos que demonstram que, nos países onde o uso de anticoncepcionais é maior do que a média, os períodos de procriação das mulheres começam mais tarde e terminam mais cedo, as proles são menores e as mulheres passam menos tempo cuidando de crianças. É verdade que somente a decisão de controlar sua fecundidade não garante novas oportunidades à mulher. Mas lhe permite tirar partido dessas oportunidades, buscando novos recursos para o bem estar geral de sua família.

Como os programas de planejamento familiar podem ajudar?

Basicamente, os programas desse tipo ajudam as mulheres a evitar uma gravidez não desejada. Se forem bem concebidos e de alta qualidade, os programas de planejamento familiar podem ajudar também, quando oferecem serviços que permitem às mulheres atender outras necessidades. Eles podem:

• Dar exemplos de como tratar as mulheres com dignidade, de como valorizar suas opiniões e respeitar suas decisões;

• Oferecer outros serviços anticoncepcionais e de saúde reprodutiva, para satisfazer necessidades comuns, porém importantes, tais como o tratamento de doenças transmitidas sexualmente ou a oferta de serviços aos jovens, por exemplo;

• Influenciar a percepção do público sobre o papel da mulher, mostrando, através dos meios de comunicação de massa, exemplos de como a mulher pode agir com coragem, assumir responsabilidades e ter sucesso ao cumprir novos papéis;

• Dar oportunidades práticas e estímulo às mulheres para que discutam com seus parceiros sexuais antes de tomar decisões sobre reprodução e saúde;

• Estimular os homens a compreender melhor as necessidades de saúde reprodutiva, tanto suas quanto das mulheres, a participar na tomada de decisões reprodutivas e a assumir maior responsabilidade quanto à saúde reprodutiva, ao uso de anticoncepcionais e ao bem-estar geral de suas famílias;

• Empregar mulheres como profissionais na área de planejamento familiar, tratá-las eqüitativamente e oferecer-lhes oportunidades de liderança.

Ao contar com a assessoria e a participação das mulheres a quem serve, um bom programa de saúde reprodutiva pode ajudá-las a melhorar sua qualidade de vida, bem como a de suas famílias e de suas comunidades.

Population Reports is published by the Population Information Program, Center for Communication Programs, The Johns Hopkins School of Public Health, 111 Market Place, Suite 310, Baltimore, Maryland 21202-4012, USA

Palavras chave: mulheres, à, mulher, deseja, gravidez, filhos, anticoncepcionais, oportunidades, vida, mais, é, maior, dar, às, necessidades, escolha reprodutiva, filhos deseja, evitar gravidez, planejamento familiar, mais tarde terminam,

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados
Search_LibdocFree @SearchWordsAux='01 - Oportunidades para a mulher através da livre escolha reprodutiva mulheres, à, mulher, deseja, gravidez, filhos, anticoncepcionais, oportunidades, vida, mais, é, maior, dar, às, necessidades, escolha reprodutiva, filhos deseja, evitar gravidez, planejamento familiar, mais tarde terminam, ',@type='ARTICLE', @libdocidant=13383, @max_rows=10, @key_rank=0
Artigo / Publicado em 22 de agosto de 2000

06 - Como obter o apoio da comunidade e de adultos jovens

Artigo / Publicado em 15 de maio de 2006

07 - Como os programas podem ajudar os casais a espaçar os filhos

Notícia / Publicada em 12 de novembro de 2019

Estagiários e residentes de cirurgia plástica podem adiar planos de ter filhos

Notícia / Publicada em 8 de julho de 2019

Riscos aumentados para as mulheres grávidas com enxaqueca

Notícia / Publicada em 11 de julho de 2018

A maioria das mulheres que congelam seus óvulos é motivada pela falta de parceiro

Notícia / Publicada em 22 de abril de 2013

Cesárea eletiva na primeira gravidez aumenta a morbidade materna nas gestações futuras

Notícia / Publicada em 16 de outubro de 2012

Estratégias visam a prevenção do aborto inseguro

Notícia / Publicada em 20 de outubro de 2008

Subfertilidade associada a obesidade e baixo peso

Notícia / Publicada em 7 de outubro de 2008

Tratamento cirúrgico de obesidade em mulheres jovens

Notícia / Publicada em 14 de maio de 2002

A violência contra as mulheres é generalizada



Assinantes


Esqueceu a senha?