Cirurgia de Revascularização do Miocárdio - Fundamentos


Equipe Editorial Bibliomed

Marco Tulio Baccarini Pires. . I. Introdução. . A cirurgia de revascularização do miocárdio tem um efeito positivo e benéfico em portadores de angina não-responsiva à tratamento clínico, mesmo quando há lesão coronária de uma única artéria; há, comprovadamente, um prolongamento da vida em pacientes com lesão de tronco de coronária esquerda e em pacientes com lesão de 3 vasos que são revascularizados cirurgicamente; o efeito benéfico é mais pronunciado em pacientes portadores de disfunção ventricular ou de isquemia de surgimento aos pequenos esforços. . . A melhora dos sintomas isquêmicos é conseguida em 80 a 90% dos pacientes. O uso da artéria mamária interna está associado a um índice de patência de 90% após 10 anos, se comparado com à veia safena (patência de 40% em 10 anos). . . O risco da cirurgia de revascularização do miocárdio inclui uma mortalidade operatória de 1 a 4% (em pacientes sem disfunção ventricular expressiva) e de infarto transoperatório de 5 a 10%. Aproximadamente 15 a 20% dos enxertos fecham no primeiro ano; nos próximos 5 anos, a porcentagem de oclusão é de 2% ao ano, e subseqüentemente, 4% ocluem ao ano. . . Em pacientes com angina muito grave ou isquemia que surge aos mínimos esforços, a cirurgia de revascularização do miocárdio pode estar indicada até mesmo em casos em que não haja doença trivascular. . . II. Histórico. ...

Palavras chave: miocárdio, revascularização, coronária, pacientes, artéria, é, anos, mamária, revascularização miocárdio, cirurgia, cirurgia revascularização, cirurgia revascularização miocárdio, artéria mamária, clinic, mais, à, ano, patência, cleveland clinic, sangüíne

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa