Drogas Antiarrítmicas - Parte VI - Betabloqueadores


Equipe Editorial Bibliomed

Cláudia Guimarães Abreu e Antonio Luiz Pinho Ribeiro. . Betabloqueadores. . Sumário. . Esta revisão aborda os aspectos básicos da farmacologia dos antiarrítmicos, medicamentos utilizados com o objetivo de suprimir, prevenir ou reverter as arritmias cardíacas.. . Os betabloqueadores, drogas com aplicação clínica no tratamento de diversas condições médicas, têm sido utilizados como antiarrítmicos de forma cada vez mais extensiva. Os b bloqueadores agem principalmente por reverter ou inibir os efeitos eletrofisiológicos e arritmogênicos relacionados com a estimulação beta-adrenérgica; os efeitos antiarrítmicos dependem também da ação anti-isquêmica e anti-hipertensiva.. . Existem diferentes drogas betabloqueadoras, que variam enormemente quanto a sua lipossolublidade, atividade simpática intrínseca, cardiosseletividade e efeito estabilizador de membranas. No controle das arritmias, as doses iniciais de propranolol variam entre 40 a 320 mg/dia, em duas doses diárias.. . Nas arritmias com risco de vida a administração endovenosa lenta de 1 a 3 mg pode ser realizada com monitorização cuidadosa do ECG, pressão arterial e freqüência cardíaca. Os efeitos colaterais extra-cardíacos mais importantes incluem depressão, broncoespasmo, vasoconstrição periférica, e hiperglicemia. Efeitos adversos cardiovasculares incluem hipotensão, bradicardia severa, ...

Palavras chave: efeitos, b, arritmias, mg, drogas, antiarrítmicos, bloqueadores, utilizados, b bloqueadores, utilizados antiarrítmicos, efeitos eletrofisiológicos, eletrofisiológicos, incluem, 1, betabloqueadores, tratamento diversas condições médicas, têm utilizados, tê

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



Assinantes


Esqueceu a senha?