CEFTRIAXONA SÓDICA -(ROCEFIN)

Equipe Editorial Bibliomed

Fórmula:
Pó para solução injetável - 250mg, 500mg e 1g

Indicações:
Peritonites, infecções do trato gastrointestinal e biliar. Infecções ósseas, articulares, tecidos moles, pele e feridas. Infecções em imunodeprimidos. Infecções renais e do trato urinário. Infecções respiratórias, particularmente pneumonia e infecções otorrinolaringológicas. Infecções genitais, incluindo gonorréia. Profilaxia de infecções pós-operatórias.

Posologia:
Adultos e crianças acima de 12 anos, ou com mais de 50kg: 1g a 2g (IM, IV ou infusão venosa) a cada 24h. Em casos graves a dose pode ser elevada para 4g. Recém-nascidos abaixo de 14 dias: dose única de 20 a 50mg/kg/dia em infusão venosa, acima de 60 minutos (máximo de 50mg/kg/dia). Lactentes e crianças (15 dias até 12 anos): 20 a 80mg/kg (infusão venosa) a cada 24h. Gonorréia: dose única de 250mg IM. Profilaxia no pré-operatório: usar 1g a 2g (IM ou IV) 30 a 90 minutos antes da cirurgia. A dose e a duração da terapia dependerão da idade, sensibilidade do microorganismo e gravidade da infecção, e deverão ser ajustadas à resposta clínica do paciente.

Contra indicação:
Insuficiência renal e hepática grave. Neonatos com icterícia. Hipoalbuminemia e acidose. Pacientes alérgicos aos antibióticos do grupo das cefalosporinas e penicilinas.

Efeitos adversos:
Abcesso, tromboflebite no local da administração. Reações de hipersensibilidade (erupções cutâneas, prurido, febre, artralgia, anafilaxia, síndrome de Stevens-Johnson). Trombocitopenia, neutropenia, leucocitose, agranulocitose, eosinofilia, anemia hemolítica e anemia aplástica. Nefrite intersticial transitória. Hiperatividade, nervosismo, distúrbios do sono, confusão, hipertonia, tonturas. Anorexia, náusea, vômito, diarréia, dor abdominal, flatulência e dispepsia. Candidíase. Cefaléia. Alterações de transaminases, icterícia transitória.

Interações:
Risco de hemorragia com anticoagulantes. Excreção renal diminuída quando associado à probenecida. Diuréticos de alça, aminoglicosídeos, colistina, polimixina B e vancomicina aumentam a probabilidade de nefrotoxicidade.

Precauções:
Para administração intramuscular, o diluente contém lidocaína. Para administração intravenosa, o diluente contém somente água bidestilada. Usar com cautela em pacientes com distúrbios gastrointestinais e doenças com sangramento. Neonatos, especialmente prematuros, que tenham bilirrubina sérica aumentada devido ao risco de encefalopatia. Tratamento prolongado pode favorecer risco de superinfecção por alterar a flora intestinal e respiratória. Pode necessitar de ajuste de dose em pacientes com insuficiência renal.

Tipo:
Antibióticos


conteúdos relacionados

Artigo / Publicado em 12 de setembro de 2018

Meningocococemia – Parte II

Artigo / Publicado em 15 de julho de 2016

Recomendações para o tratamento apropriado da Sífilis

Artigo / Publicado em 20 de julho de 2000

Manejo da Asma Crônica: Atualização em Conceitos Básicos

Artigo / Publicado em 23 de setembro de 2008

Febre de Etiologia Obscura

Artigo / Publicado em 20 de setembro de 2013

Montelucaste

Artigo / Publicado em 17 de março de 2015

Epididimite

Artigo / Publicado em 19 de fevereiro de 2001

O Cuidado da Pneumonia Adquirida na Comunidade na Era do Pneumococo Resistente

Notícia / Publicada em 7 de dezembro de 2004

Nefrolitíase associada a uso de ceftriaxona em crianças

Notícia / Publicada em 3 de janeiro de 2001

Doses Múltiplas de Ceftriaxona é Efetiva Para a Otite Média Refratária

Notícia / Publicada em 11 de dezembro de 2000

Brasil: Serra Diz que Médicos Devem Prescrever Mais Genéricos

© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa