DEXAMETASONA -(DECADRON)

Equipe Editorial Bibliomed

Fórmula:
Elixir - 0,1mg/ml Solução injetável - 2mg/ml e 4mg/ml (fosfato dissódico de dexametasona)

Indicações:
Insuficiência adrenocortical. Hiperplasia adrenal congênita. Tireoidite não-supurativa. Hipercalcemia associada às neoplasias. Manejo paliativo das leucemias e linfomas. Doenças reumatológicas, tais como LES, artrite reumatóide, psoriática ou gotosa, espondilite anquilosante e osteoartrite. Doenças dermatológicas como pênfigo, dermatite esfoliativa e dermatite seborréica. Estados alérgicos. Doenças oftalmológicas como iridociclites, neurite óptica, ceratite e inflamações de câmara anterior. Doenças respiratórias como sarcoidose e pneumonite aspirativa. Patologias hematológicas como púrpura trombocitopênica e anemia hemolítica.

Posologia:
Individualizada para a patologia envolvida. Antiinflamatório em adultos: 0,75mg a 9mg/dia VO, de 6/6h ou 12/12h. Reposição fisiológica em adultos: 0,03mg a 0,15mg/kg/dia VO. Antiinflamatório em crianças: 0,08mg a 0,3mg/kg/dia VO. Reposição fisiológica em crianças: 0,03mg a 0,15mg/kg/dia VO. A dose de dexametasona administrada IV ou IM é individualizada para cada patologia envolvida.

Contra indicação:
Hipersensibilidade ao fármaco. Micoses sistêmicas, a menos que se considere necessária para controle das reações causadas pela anfotericina B. Uso concomitante com vacinas de vírus vivos. Tuberculose. Doença de Cushing. Amebíase, estrongiloidíase e diverticulites. Herpes simples.

Efeitos adversos:
Retenção de sódio e água, hipocalcemia e alcalose hipoclorêmica. Hipertensão arterial. Diminuição da massa muscular, osteoporose e fraturas espontâneas. Pancreatite, distensão abdominal, esofagite ulcerativa, aumento do apetite, ganho de peso, náusea, úlcera péptica e hemorragia digestiva alta. Tromboembolismo e tromboflebite. Síncope e taquiarritmias. Retardo de cicatrização, eritemas, petéquias, equimoses, sudorese aumentada, hirsurtismo, hiperpigmentação e outras erupções cutâneas como urticária. Edema angioneurótico. Convulsões, catatonia, aumento de pressão intracraniana, vertigens, cefaléia, insônia, psicoses e agravamento de psicopatias prévias. Irregularidades menstruais, supressão do crescimento de crianças e intolerância à glicose. Catarata, aumento da pressão intra-ocular, glaucoma e exoftalmia. Diminuição ou aumento no número de espermatozóides. Insuficiência adrenal aguda. Síndrome de Cushing.

Interações:
Pode aumentar a necessidade de insulina ou hipoglicemiantes orais. Antiácidos diminuem sua absorção. Fenitoína, fenobarbital e rifampicina podem aumentar o metabolismo. Pode alterar a resposta aos anticoagulantes cumarínicos. Diuréticos e anfotericina B aumentam risco de hipocalemia. Pode inibir a resposta à somatotropina e reduzir os efeitos de salicilatos, vacinas e toxóides. Pode aumentar a possibilidade de arritmias ou toxicidade ao digital associada à hipocalemia. Os efeitos combinados com drogas antiinflamatórias não esteróides ou álcool podem resultar em aumento da ocorrência ou gravidade de ulceração gastrointestinal.

Precauções:
Usar com cautela em pacientes acima de 60 anos, com infarto agudo do miocárdio, úlcera péptica, insuficiência renal, osteoporose, convulsões, hipertensão, cirrose, infecções crônicas, insuficiência cardíaca congestiva, tromboembolismo, colite ulcerativa, abscessos, diverticulite, distúrbios convulsivos e miastenia gravis. A pressão arterial, peso, exames laboratoriais rotineiros, incluindo glicemia e potássio, devem ser avaliados em períodos regulares. Controlar fatores de risco para doença coronariana. Dieta rica em proteína é recomendável em tratamento prolongado. Recomenda-se uso de antiácidos nos intervalos das refeições, em tratamentos prolongados. O uso prolongado de grandes doses deve ser acompanhado de testes da função do eixo hipotálamo-hipofisário- adrenal. A retirada brusca da medicação, após uso prolongado, pode causar insuficiência corticoadrenal secundária, cujo risco é minimizado pela redução gradual da dosagem.

Tipo:
Glicocorticóides


conteúdos relacionados

Artigo / Publicado em 27 de março de 2009

Insuficiência Renal no Mieloma Múltiplo

Artigo / Publicado em 7 de maio de 2014

Tratamento da bronquiolite

Artigo / Publicado em 14 de outubro de 2014

Craniofaringioma

Artigo / Publicado em 23 de dezembro de 2008

Neoplasias Cerebrais Metastáticas

Notícia / Publicada em 25 de outubro de 2018

Traumas na infância podem aumentar risco de depressão ansiosa

Notícia / Publicada em 10 de abril de 2017

Quinolonas aplicadas como gotas auriculares aumentam o risco de perfuração com os tubos de timpanostomia

Notícia / Publicada em 8 de junho de 2012

Olanzapina reduz náuseas e vômitos em pacientes realizando quimioterapia

Notícia / Publicada em 23 de março de 2004

Dexametasona no tratamento da dor de garganta em crianças com suspeita de mononucleose infecciosa

Notícia / Publicada em 6 de março de 2003

Medicamentos interditados devido a desvio de qualidade

Notícia / Publicada em 15 de janeiro de 2001

Doses Moderadas de Dexametasona Apresentam Efeitos Adversos em Recém-Nascidos Prematuros

© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa