Publicidade

Publicidade

Publicidade

ZOMETA

Laboratório

Novartis

Principio ativo

Acido Zoledrônico

Classe

Bisfosfonatos

Composição

Cada frasco-ampola contém 4,264 mg de ácido zoledrônico monoidratado, equivalente a 4 mg de ácido zoledrônico anidro. Excipientes: Manitol, citrato de sódio e água para injeção.

Apresentação

Solução concentrada para infusão acondicionada em frasco-ampola de plástico incolor: Embalagem contendo 1 frasco-ampola de 5 ml.

Indicações

Prevenção de eventos relacionados ao esqueleto, como fraturas patológicas, compressão medular, radioterapia e cirurgia ortopédica ou hipercalcemia induzida por tumor, em pacientes com câncer metastático para o osso. - Tratamento da hipercalcemia induzida por tumor (HIT). - Zometa também é indicado para prevenção da perda óssea decorrente do tratamento antineoplásico a base de hormônios em pacientes com câncer de próstata ou câncer de mama.

Contra indicações

Zometa concentrado está contra-indicado em pacientes grávidas, lactantes, pacientes com hipersensibilidade clinicamente significativa ao ácido zoledrônico ou outros bisfosfonatos ou a qualquer dos componentes da formulação.

Posologia

Prevenção de eventos relacionados ao esqueleto em pacientes com tumor ósseo avançado: Adultos e idosos: A dose recomendada na prevenção de eventos relacionados ao esqueleto em pacientes com tumor ósseo avançado é de 4 mg de ZOMETA Solução para infusão, reconstituída e posteriormente diluída (diluída com 100 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% p/v ou solução de glicose 5% p/v), administrado por infusão intravenosa durante 15 minutos, cada 3 ou 4 semanas. Suplementos orais de cálcio 500 mg e vitamina D 400 UI devem ser administrados diariamente aos pacientes. Tratamento da HIT: Adultos e idosos: A dose recomendada na hipercalcemia (cálcio sérico corrigido pela albumina >= 12,0 mg/dl ou 3,0 mmol/l) é de 4 mg de ZOMETA, em solução para infusão reconstituída e posteriormente diluída (diluída em 100 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% ou solução de glicose 5%), administrada em infusão intravenosa única, durante 15 minutos. O paciente deve ser avaliado anteriormente à administração de ZOMETA para assegurar a correta hidratação do mesmo. Tratamento posterior (re-tratamento): Os pacientes que revelam uma resposta inicial completa (normalização do cálcio sérico <= 2,7 mmol/l) e recidivam ou aqueles refratários ao tratamento inicial podem receber um tratamento posterior com ZOMETA 8 mg em infusão intravenosa de 15 minutos, dose única. Contudo, há que decorrer, no mínimo, uma semana antes da repetição do tratamento para permitir uma resposta completa à dose inicial. Nos estudos clínicos 69 pacientes receberam novo tratamento com ZOMETA 8 mg. A solução para infusão é preparada através da reconstituição de dois frascos-ampolas de ZOMETA 4 mg, combinando-as e depois diluindo com 100 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% p/v ou solução de glicose 5% p/v. A taxa de resposta observada nestes pacientes tratados pela segunda vez foi de 52%. O tempo médio para um tratamento posterior é de 30 dias com uma dose de 4 mg e 40 dias com uma dose de 8 mg de ZOMETA. Insuficiência renal: Tratamento da HIT: Não é necessário o ajuste de dose em pacientes com TIH apresentando comprometimento renal leve a moderado (creatinina sérica < 400 µmol/l ou < 4,5 mg/dl para esta população). A função renal deve ser cuidadosamente monitorada em todos os pacientes recebendo ZOMETA, e uma possível deterioração da função renal deve ser avaliada antes de reiniciar o tratamento com ZOMETA (ver Advertências e precauções). Prevenção de eventos relacionados ao esqueleto em pacientes com neoplasias ósseas avançadas: Não é necessário o ajuste da dose antes da terapia ser iniciada em pacientes com metástases ósseas, que apresentem comprometimento renal leve a moderado (definido em estudos clínicos como creatinina sérica < 265 µmol/l ou < 3,0 mg/dl para esta população). Como a experiência clínica em pacientes com metástases ósseas e comprometimento renal severo (definido em estudos clínicos como creatinina sérica >= 265 µ(micrograma)mol/l ou >= 3,0 mg/dl) é limitada, nenhuma recomendação de dose pode ser feita para esta população de pacientes. Tal qual para outros bisfosfonatos, o monitoramento da função renal é recomendado, por exemplo, medição da creatinina sérica antes da administração de cada dose de ZOMETA. Em todos os pacientes com deterioração da função renal, a administração de ZOMETA deve ser interrompida. Na pesquisa clínica, a deterioração da função renal foi definida como segue: para pacientes com valor basal normal de creatinina, aumento de 0,5 mg/dl; para pacientes com o valor basal de creatinina anormal, um aumento de 1,0 mg/dl. Nos estudos clínicos, o tratamento de ZOMETA foi retomado somente quando o nível de creatinina voltou a 10% do valor basal. Para informações sobre a reconstituíção e a diluição de ZOMETA, ver Instruções para uso e manuseio.

Reações adversas

A frequência das reações adversas com ZOMETA 4 mg está baseada principalmente nos dados coletados de tratamentos crônicos. As reações adversas relacionadas ao uso de ZOMETA são semelhantes àquelas relatadas para outros bisfosfonatos e podem ocorrer em aproximadamente um terço dos pacientes. A administração intravenosa está associada mais comumente a uma síndrome semelhante à gripe em cerca de 9% dos pacientes, incluindo dor óssea (9,1%), febre (7,2%), fadiga (4,1%) e rigidez (2,9%). Casos ocasionais de artralgia e mialgia, em aproximadamente 3% dos pacientes, têm sido relatados. Não existe informação disponível sobre a reversão destes efeitos adversos. Freqüentemente, a redução da excreção de cálcio renal é acompanhada por uma diminuição nos níveis de fosfato sérico, em aproximadamente 20% dos pacientes, ao qual é assintomática, não requerendo tratamento. O cálcio sérico pode cair para níveis hipocalcêmicos assintomáticos em aproximadamente 3% dos pacientes. Reações gastrointestinais, tais como náuseas (5,8%) e vômitos. (2,6%), foram relatadas após infusão intravenosa de ZOMETA. Ocasionalmente, foram descritas, em menos de 1% dos pacientes, após infusão intravenosa de ZOMETA, reações no local da injeção, tais como rubor ou inchaço. Foi relatada anorexia em 1,5% dos pacientes tratados com ZOMETA 4 mg. Foram observados poucos casos de rash (erupção cutânea) ou prurido (abaixo de 1%). Tal como com outros bisfosfonatos, foram descritos casos de conjuntivite em aproximadamente 1%. Têm havido alguns relatos de comprometimento da função renal (2,3%) embora a etiologia pareça ser multifatorial, na maioria dos casos. Com base na análise agrupada dos estudos placebo-controlados, anemia severa (Hb < 8,0 g/dl) foi relatada em 5,2% dos pacientes recebendo ZOMETA 4 mg versus 4,2% dos pacientes recebendo placebo. Na HIT, a freqüência de reações adversas medicamentosas com a repetição do tratamento na dose de 8 mg foi semelhante à obtida com a administração crônica de 4 mg, excetuando a ocorrência de insuficiência renal (3,1%) e hipocalcemia (6%) que foram ligeiramente superiores, o que se poderá explicar pela existência de outros fatores de agravamento presentes nesta população de pacientes, gravemente doentes. As seguintes reações adversas, listadas na Tabela 5, resultam dos estudos clínicos após tratamento crônico com ácido zoledrônico.

Interações medicamentosas

Antes da administração ZOMETA, o paciente deve ser avaliado para assegurar se está adequadamente hidratado. Os parâmetros metabólicos relacionados com a hipercalcemia, tais como níveis séricos de cálcio, fosfato e magnésio, devem ser cuidadosamente monitorados após o início da terapêutica com ZOMETA. Caso ocorra hipocalcemia, hipofosfatemia ou hipomagnesemia, a terapia suplementar de curto prazo poderá ser necessária. Pacientes com HIT (hipercalcemia induzida por tumor) e comprometimento evidente das funções renais deve ser avaliado apropriadamente, levando em consideração todos os potenciais benefícios da continuidade do tratamento com ZOMETA em relação aos riscos potenciais ao paciente. Os bisfosfonatos têm sido associados com relatos de disfunção renal. Fatores que podem aumentar o potencial de disfunção renal incluem disfunção preexistente, e administração crônica de ZOMETA na dose de 8 mg ou no uso com intervalos de administração mais curtos do que os recomendáveis. Apesar de ser pouco freqüente, o aumento da creatinina sérica também ocorreu em alguns pacientes com a administração crônica de ZOMETA nas doses recomendadas. Tal qual em outros bisfosfonatos, é recomendada a monitoração da função renal, por exemplo, medição da creatinina sérica antes de cada dose de ZOMETA. Em todos os pacientes com metástases ósseas, a dose deve ser interrompida, em caso de deterioração da função renal. Nos estudos clínicos, ZOMETA foi retomado somente quando o nível de creatinina voltou a 10% do valor basal. Considerando-se o impacto potencial dos bisfosfonatos, incluindo ZOMETA, sobre a função renal, a falta de maiores dados clínicos de segurança em pacientes com comprometimento renal severo (definido em estudos clínicos como creatinina sérica ³ 400 µmol/l ou ³ 4,5 mg/dl para pacientes com TIH e >= 265 µmol/l ou >= 3,0 mg/dl para pacientes com câncer e metástases ósseas, respectivamente) no basal e a quantidade limitada de dados farmacocinéticos em pacientes com comprometimento renal severo no basal (clearance de creatinina < 30 ml/min), o uso de ZOMETA não é recomendado em pacientes com comprometimento renal severo. Uma vez que apenas limitados dados clínicos encontram-se disponíveis aos pacientes com insuficiência hepática grave, nenhuma recomendação específica pode ser dada para esta população de pacientes. Para os pacientes com risco de sofrer insuficiência cardíaca deve ser evitada uma hidratação excessiva. A segurança e a eficácia de ZOMETA em pacientes pediátricos não foram estabelecidas.
© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa