Publicidade

Publicidade

Publicidade

ZENAPAX

Laboratório

Prod. Roche Químicos e Farmacêuticos S.A

Principio ativo

DACLIZUMABE

Classe

Composição

Ingrediente ativo: Daclizumab. Excipientes: Polissorbato 80, cloreto de sódio, fosfato de sódio monobásico, fosfato de sódio dibásico, ácido clorídrico, hidróxido de sódio e água para injeção. O conteúdo do frasco é um líquido claro e levemente opaco.

Apresentação

Caixa contendo um frasco de 25 mg de daclizumab em 5 ml de solução para infusão (5 mg/ml).

Indicações

Zenapax® (Daclizumab) é indicado para a profilaxia da rejeição aguda de órgãos em pacientes que receberam transplante renal. É usado concomitantemente com um regime imunossupressor, incluindo ciclosporina e corticosteróide.

Contra indicações

Zenapax® (Daclizumab) é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao daclizumab ou a qualquer um dos componentes do produto.

Posologia

Dosagem padrão: A dose recomendada de Zenapax® (Daclizumab) em pacientes adultos e pediátricos é de 1 mg/kg. O volume de Zenapax® (Daclizumab) contendo a dose adequada é adicionado a 50 ml de solução salina estéril a 0,9%, sendo administrado por via intravenosa, durante um período de 15 minutos. Poderá ser administrado através de uma veia periférica ou central. Zenapax® (Daclizumab) deverá ser administrado inicialmente dentro das 24 horas prévias ao transplante. A próxima dose e cada dose subseqüente deverá ser administrada a intervalos de 14 dias, num total de 5 doses. As doses subseqüentes poderão ser administradas um dia antes ou um dia depois da data programada.

Reações adversas

Experiência dos estudos clínicos: O perfil de segurança de Zenapax® (Daclizumab) foi determinado em quatro estudos clínicos, nos quais três foram randomizados e controlados, que envolveram 629 pacientes que receberam aloenxerto renal, dos quais 336 receberam Zenapax® (Daclizumab) e 293 receberam placebo. Todos os pacientes receberam concomitantemente ciclosporina e corticosteróides. Foram relatados eventos adversos em 95% dos pacientes do grupo tratado com placebo e em 96% dos pacientes do grupo tratado com Zenapax® (Daclizumab). A proporção de pacientes retirados prematuramente dos estudos por eventos adversos foi de 8,5% no grupo tratado com placebo e de 8,6% no grupo tratado com Zenapax® (Daclizumab). Os eventos adversos relatados com maior freqüência foram distúrbios gastrintestinais, os quais foram relatados com freqüência semelhante para os pacientes dos grupos Zenapax® (Daclizumab) (67%) e placebo (68%). Foram relatados eventos adversos sérios em 44% dos pacientes do grupo tratado com placebo e em 40% dos pacientes do grupo tratado com Zenapax® (Daclizumab). Foram relatadas mortes cuja ocorrência foi nos primeiros 6 meses pós-transplante em 3,41% dos pacientes do grupo tratado com placebo e em 0,6% dos pacientes do grupo tratado com Zenapax® (Daclizumab). A mortalidade após 12 meses foi de 4,44% no grupo placebo e de 1,5% no grupo Zenapax® (Daclizumab). A incidência e os tipos de eventos adversos foram similares entre os grupos tratados com placebo e os tratados com Zenapax® (Daclizumab). Os seguintes eventos adversos ocorreram em 5% ou mais dos pacientes tratados com Zenapax® (Daclizumab). Estes eventos incluem: Sistema gastrintestinal: Constipação, náusea, diarréia, vômitos, dor abdominal, pirose, dispepsia, distensão abdominal, dor epigástrica não-relacionada a alimentação. Distúrbios metabólicos e nutricionais: Edema, edema de extremidades. Sistema nervoso central e periférico: Cefaléia, tremor, tontura. Sistema urogenital: Disúria, oligúria, necrose tubular renal. Sistêmicos: Dor pós-traumática, dor torácica, febre, dor, fadiga. Sistema nervoso autônomo: Hipertensão, hipotensão, hipertensão severa. Sistema respiratório: Tosse, dispnéia, edema pulmonar. Pele e anexos: Acne, dificuldade de cicatrização de feridas sem infecção. Distúrbios psiquiátricos: Insônia. Sistema musculoesquelético: Dor muscular, dor lombar. Sistema cardiovascular: Taquicardia, trombose. Complicações hemorrágicas: Hemorragia. Sistema linfático e hematológico: Linfocele. Os seguintes eventos adversos ocorreram em ³ 2% e < 5% dos pacientes tratados com Zenapax® (Daclizumab). Estes eventos incluem: Sistema gastrintestinal: Flatulência, gastrite, hemorróidas. Distúrbios metabólicos e nutricionais: Desidratação, diabetes melito, sobrecarga de volume. Sistema nervoso central e periférico: Retenção urinária, cãibras nas pernas, sensação de formigamento. Sistema urogenital: Dano renal, hidronefrose, sangramento do trato urinário, desordens do trato urinário, insuficiência renal. Sistêmicos: Fraqueza generalizada, calafrios. Sistema respiratório: Atelectasia, congestão, faringite, rinite, hipoxia, estertores, sibilos, derrame pleural. Pele e anexos: Prurido, hirsutismo, rash cutâneo, sudorese noturna, aumento da sudorese. Distúrbios psiquiátricos: Depressão, ansiedade. Sistema musculoesquelético: Artralgia, mialgia. Distúrbios visuais: Borramento da visão. Local de aplicação: Reação no local de aplicação. Incidência de malignidade: Um ano após o transplante, a incidência de malignidade foi de 2,7% no grupo placebo comparado com 1,5% no grupo tratado com Zenapax® (Daclizumab). A administração de Zenapax® (Daclizumab) não aumentou o número de linfomas pós-transplante, os quais ocorreram com uma freqüência menor que 1% em ambos os grupos de tratamento. Hiperglicemia: Nenhuma alteração, nos exames hematológicos ou bioquímicos, foi observada nos grupos tratados com placebo ou com Zenapax® (Daclizumab) com exceção da glicemia de jejum. A glicemia de jejum foi avaliada num pequeno grupo de pacientes tratados com placebo e Zenapax® (Daclizumab). Um total de 16% (10 de 64 pacientes) dos pacientes tratados com placebo e 32% (28 de 88 pacientes) dos pacientes tratados com Zenapax® (Daclizumab) teve valores altos de glicemia de jejum. A maioria destes valores altos ocorreu no primeiro dia de pós-operatório, quando os pacientes receberam altas doses de corticóide ou em pacientes diabéticos. Incidência de episódios de infecção: A incidência global de episódios de infecção, incluindo infecções virais, fúngicas, bacteremia, septicemia e pneumonia, não foi maior nos pacientes tratados com Zenapax® (Daclizumab) do que nos tratados com placebo. Os tipos de infecções relatadas foram similares em ambos os grupos. A infecção por citomegalovírus foi relatada em 16% dos pacientes do grupo tratado com placebo e em 13% dos pacientes do grupo tratado com Zenapax® (Daclizumab). Uma exceção foi celulite e infecção de ferida operatória, os quais ocorreram em 4,1% dos pacientes tratados com placebo e em 8,4% dos pacientes tratados com Zenapax® (Daclizumab). Após um ano de transplante, 7 pacientes do grupo placebo e 1 do grupo Zenapax® (Daclizumab) haviam morrido por causa de infecção. Pacientes pediátricos: O perfil de segurança para o uso de Zenapax® (Daclizumab) em pacientes pediátricos mostrou-se comparável ao de pacientes adultos. Entretanto, os seguintes eventos adversos ocorreram mais freqüentemente nos pacientes pediátricos: diarréia (41%), dor pós-operatória (38%), febre (33%), vômitos (33%), hipertensão (28%), prurido (21%), infecção de vias aéreas superiores (20%) e infecção do trato urinário (18%). Zenapax® (Daclizumab) não apresenta toxicidade aparente. Comparado com placebo, Zenapax® (Daclizumab) não aumentou o perfil de toxicidade do regime imunossupressor contendo ciclosporina e corticosteróides sozinhos, ou com a introdução de azatioprina ou micofenolato mofetil.

Interações medicamentosas

Por tratar-se de uma proteína imunossupressora, Zenapax® (Daclizumab) deverá ser administrado sob supervisão médica qualificada. Os pacientes deverão ser informados dos benefícios potenciais da terapia e dos riscos associados à administração de terapias imunossupressoras. Os pacientes que se encontram sob terapia imunossupressora, após o transplante, apresentam risco aumentado para o desenvolvimento de distúrbios linfoproliferativos (LPDs) e de infecções oportunistas. Apesar de Zenapax® (Daclizumab) ser uma droga imunossupressora, até esta data não foram observados LPDs nem infecções oportunistas em pacientes tratados com Zenapax® (Daclizumab). Deverão ser adotadas precauções na administração de drogas imunossupressoras à pacientes idosos. Em receptores de transplante não há experiência quanto a exposição a um tratamento subseqüente ou secundário usando Zenapax® (Daclizumab). Foram observadas reações anafiláticas após a administração de proteínas. Raramente podem ocorrer reações de hipersensibilidade graves após administração de Zenapax® (Daclizumab). Portanto, deverão encontrar-se disponíveis as medicações para o tratamento de reações de hipersensibilidade aguda para uso imediato.
© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa