Publicidade

Publicidade

Publicidade

VALCYTE

Laboratório

Prod. Roche Químicos e Farmacêuticos S.A

Principio ativo

VALGANCICLOVIR, CLORIDRATO

Classe

Antivirais

Composição

Ingrediente ativo: Comprimidos revestidos contendo 496,3 mg de cloridrato de valganciclovir, equivalente a 450 mg de valganciclovir. Excipientes: Povidona K-30, crospovidona, celulose microcristalina, ácido esteárico. Revestimento: Hidroxipropilmetilcelulose, dióxido de titânio (E171), polietilenoglicol, óxido de ferro vermelho (E172) e polissorbato.

Apresentação

Frasco contendo 60 comprimidos revestidos.

Indicações

Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) é indicado para o tratamento de retinite por citomegalovírus (CMV) em pacientes com síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids).

Contra indicações

Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) está contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao valganciclovir, ganciclovir ou a qualquer componente do produto. Devido à semelhança da estrutura química de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) àquela de aciclovir e valaciclovir, uma reação de hipersensibilidade cruzada entre estas drogas é possível.

Posologia

Cuidado: A aderência estrita às recomendações é essencial para evitar superdose. Dose padrão: Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) é administrado por via oral, e deve ser administrado com alimento (ver Farmacocinética, Absorção). Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) é rapidamente e extensivamente convertido em ganciclovir. A biodisponibilidade de ganciclovir a partir de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) é 10 vezes maior do que das cápsulas de ganciclovir, portanto, a dose e administração de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) Comprimidos como descrito adiante deve ser seguida rigorosamente (ver Precauções e advertências e Superdosagem). Tratamento de indução: Para pacientes com retinite ativa por CMV, a dose recomendada é de 900 mg (dois comprimidos de 450 mg), duas vezes ao dia, durante 21 dias. Tratamento de indução prolongado pode aumentar o risco de toxicidade na medula óssea (ver Precauções e advertências). Tratamento de manutenção: Em seguida ao tratamento de indução, ou em pacientes com retinite inativa por CMV, a dose recomendada é de 900 mg (dois comprimidos de 450 mg), uma vez ao dia. Os pacientes com piora da retinite podem repetir o tratamento de indução (ver Tratamento de indução).

Reações adversas

Experiência dos estudos clínicos: Experiência com Valcyte (Cloridrato de valganciclovir): O valganciclovir é uma pró-droga do ganciclovir, a qual é rapidamente convertida para ganciclovir após a sua administração oral. Portanto, é esperado que os efeitos indesejáveis sabidamente associados ao uso de ganciclovir ocorram com Valcyte (Cloridrato de valganciclovir). Todos os eventos adversos observados nos estudos clínicos de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) haviam sido observados previamente nos estudos realizados com ganciclovir. Os perfis de segurança de valganciclovir e ganciclovir intravenoso, durante a fase randomizada do estudo de 28 dias (21 dias de dose de indução e 7 dias de manutenção) em 79 pacientes cada, foram comparáveis. Os eventos relatados com maior freqüência foram diarréia, neutropenia e pirexia. Mais pacientes relataram diarréia, candidíase oral, cefaléia e fadiga no braço de valganciclovir oral, e náusea e eventos relacionados ao local da injeção no braço de ganciclovir intravenoso.

Interações medicamentosas

Advertências: Em estudos em animais, foi encontrado que o ganciclovir é mutagênico, teratogênico, espermatogênico e carcinogênico. Portanto, Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) deve ser considerado um teratogênico e carcinogênico potencial em humanos, com potencial para causar defeitos de nascimento e câncer (ver Manuseio e eliminação). Também foi considerado provável que Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) cause inibição temporária ou permanente da espermatogênese (ver Dados de segurança pré-clínica, Gravidez e lactação, e Reações adversas). Leucopenia, neutropenia, anemia, trombocitopenia, pancitopenia severas, depressão da medula óssea e anemia aplástica foram observadas em pacientes tratados com Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) e ganciclovir. A terapia não deve ser iniciada se a contagem absoluta de neutrófilos for inferior a 500 células/mcl, se a contagem de plaquetas for inferior a 25.000/mcl ou se a hemoglobina for inferior a 8 g/dl (ver Instruções de dose em situações especiais e Reações adversas). O uso de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) em crianças não é recomendado (ver Instruções de dose em situações especiais). Precauções: A biodisponibilidade de ganciclovir a partir de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) é 10 vezes maior do que a partir de cápsulas de ganciclovir. Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) não pode ser substituído por cápsulas de ganciclovir com base eqüitativa (um para um). Os pacientes que estejam mudando de ganciclovir cápsulas devem ser advertidos quanto ao risco de superdose, em caso de ingestão maior do que o número prescrito de comprimidos de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) (ver Posologia e Superdosagem). Recomenda-se que as contagens de sangue total e de plaquetas sejam monitoradas durante a terapia. Em pacientes com leucopenia, neutropenia, anemia e/ou trombocitopenia severas, recomenda-se que seja considerado o tratamento com fator de crescimento hematopoético e/ou a interrupção da dose (ver Instruções de dose em situações especiais e Reações adversas). Em pacientes com insuficiência renal, são requeridos ajustes de dose baseados no clearance de creatinina (ver Instruções de dose em situações especiais e Farmacocinética em situações clínicas especiais). Para pacientes sob hemodiálise (CrCl < 10 ml/min) é recomendado o uso de ganciclovir intravenoso [no lugar de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir)], de acordo com o algoritmo de redução de dose citado na bula aprovada para Cymevene® (Ganciclovir) intravenoso (ver Instruções de dose em situações especiais e Farmacocinética em situações clínicas especiais). Convulsões, sedação, vertigem, ataxia e/ou confusão foram relatadas em decorrência do uso de Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) e/ou ganciclovir. Caso ocorram, tais efeitos podem afetar tarefas que requerem agilidade, inclusive a habilidade do paciente para dirigir e operar máquinas. Foram relatadas convulsões em pacientes recebendo administração de imipenem-cilastatina e ganciclovir. Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) não deve ser usado concomitantemente com imipenem-cilastatina a menos que os benefícios potenciais se sobreponham aos riscos potenciais (ver Interações medicamentosas). Tanto zidovudina como Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) podem causar neutropenia e anemia. Alguns pacientes podem não tolerar a terapia concomitante com dose plena (ver Interações medicamentosas). As concentrações plasmáticas de didanosina podem aumentar durante o uso concomitante com Valcyte (Cloridrato de valganciclovir); portanto, os pacientes devem ser monitorados de perto quanto à toxicidade por didanosina (ver Interações medicamentosas). Pode haver aumento de toxicidade com o uso concomitante de outras drogas que são conhecidas por serem mielossupressoras ou associadas à disfunção renal com Valcyte (Cloridrato de valganciclovir) (ver Interações medicamentosas).
© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa