Publicidade

Publicidade

Publicidade

METALYSE

Laboratório

Boehringer Ingelheim do Brasil Quím. e Farm. Ltda.

Principio ativo

TENECTEPLASE

Classe

Anticoagulantes e trombolíticos

Composição

Cada ml de solução reconstituída contém: Tenecteplase 5 mg. A potência de tenecteplase é expressa em unidades (U), baseando-se num padrão de referência específico para tenecteplase, e não pode ser comparada com as unidades utilizadas para outros agentes trombolíticos. Excipientes: Arginina, ácido fosfórico, polissorbato 20 e água para injeção.

Apresentação

METALYSE 8.000 U (40 mg): Pó liófilo injetável: Frasco-ampola contendo 8.000 U (40 mg) de tenecteplase, acompanhado de seringa pré-carregada com 8 ml de água para injeção.

Indicações

METALYSE® é indicado para o tratamento trombolítico do infarto agudo do miocárdio. O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível após o início dos sintomas.

Contra indicações

O tratamento trombolítico está associado ao risco de hemorragia. Portanto, METALYSE® é contra-indicado nas seguintes situações: distúrbios hemorrágicos significativos no presente ou nos últimos 6 meses, diátese hemorrágica conhecida; pacientes recebendo tratamento concomitante com anticoagulantes orais (INR > 1,3); qualquer ocorrência anterior de lesão no sistema nervoso central (como neoplasia, aneurisma, cirurgia intracraniana ou espinhal); hipertensão grave não-controlada; cirurgia de grande porte, biópsia de um órgão parenquimatoso ou traumatismo grave nos últimos 2 meses (inclui qualquer trauma associado ao infarto agudo do miocárdio presente), trauma recente da cabeça ou crânio; ressuscitação cardiopulmonar traumática ou prolongada (> 2 minutos) nas últimas 2 semanas; hepatopatias graves, incluindo insuficiência hepática, cirrose, hipertensão portal (varizes esofágicas) e hepatite ativa; retinopatia hemorrágica diabética ou outras condições oftálmicas hemorrágicas; úlcera péptica ativa; aneurisma arterial e malformações arteriais/venosas conhecidas; neoplasia com aumento do risco de sangramento; pericardite aguda e/ou endocardite bacteriana subaguda; pancreatite aguda; hipersensibilidade à substância ativa tenecteplase ou a qualquer componente da fórmula.

Posologia

METALYSE® deve ser administrado levando-se em conta o peso corpóreo, em dose máxima de 10.000 unidades (50 mg de tenecteplase). O volume necessário para a administração da dose correta pode ser calculado conforme o seguinte esquema: Peso corpóreo do Tenecteplase (U) Tenecteplase (mg) Volume corresponde à paciente (kg) solução reconstituída (ml) < 60 6.000 30 6 >= 60 a < 70 7.000 35 7 >=70 a < 80 8.000 40 8 >= 80 a < 90 9.000 45 9 >=90 10.000 50 10 A dose necessária deve ser administrada como um único bolo intravenoso, durante aproximadamente 5 a 10 segundos. Pode-se usar um acesso venoso preexistente para a administração de METALYSE®, desde que tenha sido utilizado somente para a administração de solução de cloreto de sódio 0,9%. Se for utilizado um acesso venoso, lavá-lo após a injeção de METALYSE® para suprimento adequado da droga. METALYSE® é incompatível com solução glicosada. Nenhum outro medicamento deve ser adicionado à solução de injeção ou acesso venoso. Tratamento concomitante: Devem-se administrar ácido acetilsalicílico (AAS) e heparina o mais rapidamente possível após o diagnóstico, para inibir o processo trombogênico. AAS deve ser administrado o mais rápido possível após o início dos sintomas de infarto agudo do miocárdio e deve ser mantido, pelo menos, até a chegada ao hospital. A dose oral inicial recomendada situa-se entre 150 e 325 mg ao dia. Se o paciente for incapaz de ingerir comprimidos, pode-se administrar intravenosamente, se possível, uma dose inicial de 100-250 mg. A dose de AAS durante os dias seguintes deve ser estabelecida pelo médico. Heparina deve ser administrada o mais rápido possível após a confirmação do diagnóstico do infarto agudo do miocárdio e deve ser mantida por, pelo menos, 24 horas. A dose deve ser ajustada conforme o peso corpóreo. Em pacientes pesando até 67 kg, recomenda-se administrar um bolo intravenoso inicial de, no máximo, 4.000 UI de heparina, seguido inicialmente por, no máximo, 800 UI/hora em infusão. Para pacientes pesando mais de 67 kg, recomenda-se administrar um bolo intravenoso inicial de, no máximo, 5.000 UI de heparina, seguido inicialmente por 1.000 UI/hora em infusão. Para pacientes que já estejam sob tratamento com heparina, não se deve administrar o bolo intravenoso inicial. Deve-se ajustar a taxa de infusão de modo a manter o TTPa (tempo de ativação parcial de tromboplastina) entre 50 e 75 segundos (1,5 a 2,5 vezes o valor normal ou um nível plasmático de heparina de 0,2 a 0,5 UI/ml).

Reações adversas

Assim como ocorre com outros agentes trombolíticos, a hemorragia é o efeito indesejável mais comum associado ao uso de METALYSE®. O tipo de hemorragia é predominantemente superficial, no local da injeção. Equimoses são observadas comumente, mas normalmente não requerem nenhuma ação específica. Ocasionalmente (< 10%) observaram-se sangramentos gastrintestinais, geniturinários ou nasais. Raramente (< 1%) observaram-se hemopericárdio, sangramento retroperitoneal e hemorragia cerebral. Raramente (< 5%) há necessidade de transfusões sangüíneas após o uso de METALYSE®. Arritmias acompanham freqüentemente os tratamentos de pacientes recebendo METALYSE® para infarto agudo do miocárdio, mesmo quando bem-sucedidos. Pode ocorrer hipotensão também. Em casos muito raros, o tratamento com METALYSE® pode levar a embolização de cristais de colesterol ou tromboembolismo. Ocasionalmente relataram-se reações anafilactóides (incluindo erupções cutâneas, urticária, broncoespasmos, edema de laringe). Relatos de náusea e/ou vômitos e febre são freqüentes, e são os eventos adversos não-hemorrágicos mais comuns.

Interações medicamentosas

METALYSE® deve ser prescrito por médicos com experiência na aplicação de tratamento trombolítico e com disponibilidade de monitorar o tratamento. Isto não exclui o uso pré-hospitalar de METALYSE®. Assim como ocorre com outros trombolíticos, recomenda-se que, quando METALYSE® for administrado, tenha-se à disposição medicamentos e equipamentos de ressuscitação em todas as circunstâncias. Sangramentos: A complicação mais comum ocorrente durante o tratamento com METALYSE® é o sangramento. O uso concomitante do anticoagulante heparina pode contribuir para a ocorrência de sangramentos. Como a fibrina é lisada durante o tratamento com METALYSE®, podem ocorrer sangramentos provenientes de picadas recentes. Assim, o tratamento trombolítico requer cuidadosa atenção a todos os possíveis focos de sangramento (incluindo aqueles após inserção de cateter, punção arterial e venosa, dissecção e punções com agulhas). Deve-se evitar o uso de cateteres rígidos, injeções intramusculares e manipulações desnecessárias dos pacientes durante o tratamento com METALYSE®. Se ocorrerem sangramentos graves, principalmente hemorragia cerebral, a administração concomitante de heparina deve ser interrompida imediatamente. Deve-se considerar a administração de protamina se a heparina tiver sido administrada dentro de 4 horas antes do sangramento. Nos poucos pacientes que não respondem a essas medidas preservativas, pode-se indicar o uso criterioso de produtos de transfusão. A transfusão de crioprecipitados, plasma fresco congelado e plaquetas deve ser considerada com reavaliação clínica e laboratorial após cada administração. Com a infusão de crioprecipitados, pretende-se atingir um nível de 1 g/l de fibrinogênio. Agentes antifibrinolíticos também devem ser considerados. Sob as seguintes condições deve-se avaliar cuidadosamente o uso de METALYSE® quanto aos riscos potenciais de hemorragia em relação aos benefícios esperados: pressão arterial sistólica > 160 mmHg; história conhecida ou suspeita de acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico transitório; sangramento gastrintestinal ou geniturinário recente (nos últimos 10 dias); qualquer injeção intramuscular recente; idade avançada (acima de 75 anos); baixo peso corpóreo (< 60 kg); doença vascular cerebral. Arritmias: A trombólise coronariana pode resultar em arritmia associada a reperfusão. Antagonistas da glicoproteína IIb/IIIa: Não há experiência com o uso de antagonistas da glicoproteína IIb/IIIa nas primeiras 24 horas após o início do tratamento. Tromboembolismo: O uso de METALYSE® pode aumentar o risco de eventos tromboembólicos em pacientes com trombo no lado esquerdo do coração, por exemplo, de estenose mitral ou fibrilação atrial. Readministração: Não se observou formação de anticorpos à molécula de tenecteplase após o tratamento. Entretanto, não há experiência com a readministração de METALYSE®.
© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa