Publicidade

Publicidade

Publicidade

GONAL-F

Laboratório

Serono Produtos Farmacêuticos Ltda.

Principio ativo

FOLITROFINA

Classe

Hormônios

Composição

Apresentação

GONAL-F® 1.050 UI/1,75 ml (77 mg/1,75 ml) (folitropina alfa): Cada frasco-ampola de GONAL-F® multidose de 1.200 UI contém: Folitropina alfa 87,36 mg (1.200 UI); Sacarose 30 mg; Fosfato dissódico diidratado 1,11 mg; Fosfato de sódio monoidratado 0,45 mg; Ácido O-fosfórico concentrado q.s.; Hidróxido de sódio q.s. e água para injeção 2 ml. Contém 1 frasco-ampola de liofilizado com 1.200 UI de folitropina alfa, 1 seringa pré-enchida de solvente e 15 seringas para injeção graduadas em UI de r-FSH. Dose máxima recuperável 1.050 UI/1,75 ml (77 mg/1,75 ml). GONAL-F® 450 UI/0,75 ml (33 mg/0,75 ml) (folitropina alfa): Cada frasco-ampola de GONAL-F® multidose de 600 UI contém: Folitropina alfa 43,68 mg (600 UI); Sacarose 30 mg; Fosfato dissódico diidratado 1,11 mg; Fosfato de sódio monoidratado 0,45 mg; Ácido O-fosfórico concentrado q.s.; Hidróxido de sódio q.s. e água para injeção 1 ml. Contém 1 frasco-ampola de liofilizado com 600 UI de folitropina alfa, 1 seringa preenchida de solvente e 7 seringas para injeção graduadas em UI de r-FSH. Dose máxima recuperável 450 UI/0,75 ml (33 mg/0,75 ml). GONAL-F® 75 UI (5,5 mg):.Cada frasco-ampola de GONAL-F® 75 UI contém: Folitropina alfa 5,5 mg (75 UI); Sacarose 30 mg; Fosfato diidrogênio monossódico 3,26 mmols; Fosfato dissódico 6,00 mmols; Metionina 0,1 mg; Polissorbato 20 0,05 mg e água para injeção em seringa preenchida 1 ml. GONAL-F® 37,5 UI e 150 UI: Cada frasco-ampola de GONAL-F® 37,5 UI e 150 UI contém, respectivamente: Folitropina alfa 37,5 UI e 150 UI; Sacarose 30mg e 30 mg; Fosfato diidrogênio monossódico 3,26 mmols e 3,26 mmols; Fosfato dissódico 6,00 mmols e 6,00 mmols e água para injeção 1 ml e 1 ml.

Indicações

A medicação deve ser usada somente sob supervisão médica rigorosa. (1) GONAL-F®, seguido de gonadotrofina coriônica humana (hCG) é recomendado para o estímulo do desenvolvimento folicular e ovulação em mulheres com disfunção hipotalâmica-pituitária que apresentam oligomenorréia ou amenorréia. A maioria destas pacientes apresenta doença ovariana policística (SOP). (2) GONAL-F® está indicado para o estímulo do desenvolvimento multifolicular em pacientes que passam por superovulação em técnicas de reprodução assistida (ART), como fertilização in vitro (IVF), transferência intrafalopiana de gameta (GIFT) e transferência intrafalopiana de zigoto (ZIFT). (3) GONAL-F® está indicado para estimular a produção de espermatozóides no homem infértil, devido a deficiência hormonal, e deve ser utilizado em combinação com a gonadotrofina coriônica humana (hCG). (4) GONAL-F®, em associação com uma preparação de hormônio luteinizante (LH), é recomendado para a estimulação do desenvolvimento folicular em mulheres com insuficiência grave de LH e FSH. Nos ensaios clínicos, essas pacientes foram definidas pelo nível sérico de LH endógeno menor que 1,2 UI

Contra indicações

GONAL-F® está contra-indicado por razões de segurança: Nas mulheres, por gravidez e aleitamento, aumento ovariano ou cisto não-devido a doença ovariana policística, hemorragias ginecológicas anormais, carcinoma ovariano, uterino ou mamário, tumores do hipotálamo ou glândula pituitária, hipersensibilidade ao GONAL-F® ou a qualquer dos seus excipientes. GONAL-F® está contra-indicado quando uma resposta efetiva não pode ser obtida, como: insuficiência ovariana primária, malformação dos órgãos sexuais incompatíveis com gravidez, tumores fibróides do útero incompatíveis com gravidez. Nos homens, por dano testicular irreversível, reações alérgicas a medicamentos contendo o FSH ou a qualquer dos seus constituintes.

Posologia

A terapia com GONAL-F® deve ser iniciada sob a supervisão de um médico com experiência no tratamento de problemas de infertilidade. GONAL-F® 75 UI e 150 UI devem ser aplicados por via subcutânea ou intramuscular. GONAL-F® 37,5 UI deve ser aplicado por via subcutânea. GONAL-F® multidose 1050 UI e 450 UI devem ser aplicados por via subcutânea. No caso de qualquer sintoma de dor no baixo ventre, distensão ou aumento do volume abdominal é aconselhável suspender o tratamento e informar o médico. Caso houver esquecimento da tomada de uma dose, não tome dose dupla. Consulte o médico. A fim de evitar a aplicação de grandes volumes, o conteúdo de até três recipientes de GONAL-F® 37,5 UI, GONAL-F® 75 UI ou GONAL-F® 150 UI pode ser dissolvido em 1 ml de solvente. GONAL-F® 37,5 UI pode ser combinado com a apresentação de 150 UI, de acordo com o critério médico. As doses recomendadas de GONAL-F® são as mesmas utilizadas com o FSH urinário (natural). A avaliação clínica do GONAL-F® indica que as doses diárias, os regimes posológicos e os métodos de monitorização do tratamento não devem diferir dos presentemente utilizados com as preparações contendo FSH urinário (natural). No entanto, quando se utilizam tais doses em estudos comparativos de GONAL-F® e do FSH urinário (natural), GONAL-F® mostrou ser mais eficaz do que o FSH urinário (natural), em especial quando é necessário administrar-se dose total mais baixa e um período de tratamento mais curto para se atingir as condições pré-ovulatórias. Aconselha-se a adesão às doses iniciais recomendadas a seguir: Mulheres com disfunção hipotalâmica-pituitária que apresentam oligomenorréia ou amenorréia: O objetivo da terapia com GONAL-F® é o de desenvolver um único folículo de Graaf maduro, do qual o óvulo será liberado após a administração de hCG. GONAL-F® pode ser administrado durante um período, em injeções diárias. Em pacientes menstruadas o tratamento deve começar dentro dos primeiros sete dias do ciclo menstrual. O tratamento deve ser ajustado com a resposta individual da paciente, conforme avaliado pela medição (1) tamanho do folículo por ultra-som e/ou (2) secreção de estrogênio. Um regime comumente usado começa com 75-150 UI FSH por dia e é aumentado em 37,5 UI (até 75 UI) em intervalos de 7 ou 14 dias, se necessário, para obter uma resposta adequada, mas não excessiva. Se uma paciente não responder adequadamente após cinco semanas de tratamento, aquele ciclo deve ser abandonado. Quando é obtida uma resposta ótima, injeção única de hCG deve ser administrada 24-48 horas após a última injeção de GONAL-F®. Recomenda-se que a paciente tenha relação sexual no dia e no dia seguinte da administração de hCG. Se for obtida uma resposta excessiva, o tratamento deve ser interrompido e a aplicação do hCG suspensa. O tratamento deve recomeçar no próximo ciclo com dosagem menor que aquela do ciclo anterior. Estimulação ovariana para fertilização in vitro e outras técnicas de Reprodução Assistida: Um regime de superovulação envolve a administração de 150-225 UI de GONAL-F® por dia, começando no 2º ou 3º dia do ciclo. O tratamento deve continuar até que seja atingido desenvolvimento folicular adequado (avaliado pelo controle das concentrações de estrógeno no soro e/ou ultra-som), com a dose ajustada de acordo com a resposta da paciente, geralmente não mais que 450 UI por dia. Uma única injeção de hCG é administrada 24 a 48 horas após a última injeção de GONAL-F® para induzir a maturação final do folículo. Down-regulation com agonista ou antagonista do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) é comumente usado a fim de suprimir o aumento de LH endógeno e para controlar os níveis tônicos de LH. Em um protocolo comumente usado, GONAL-F® é administrado aproximadamente duas semanas após o início do tratamento com o agonista, até ser obtido desenvolvimento folicular adequado. Por exemplo, após tratamento de duas semanas com um agonista, 225 UI de GONAL-F® são administradas por via subcutânea ou intramuscular durante os primeiros sete dias. A dose é, então, ajustada de acordo com a resposta ovariana e deve receber constante monitoração. Homem infértil com deficiência hormonal: GONAL-F® é usualmente prescrito na dose de 150 UI, três vezes por semana, em combinação com a gonadotrofina coriônica humana (hCG) por, pelo menos, quatro meses. Não havendo resposta ao tratamento após esse período, ele deve ser prescrito por, pelo menos, 18 meses. Mulheres com anovulação resultante de deficiência grave de LH e FSH: Em mulheres com insuficiência de LH e FSH (hipogonadismo hipogonadotrófico), o objetivo da terapêutica com GONAL-F® em associação com a lutropina alfa (Luveris®) é o desenvolvimento de um único 'folículo de Graaf' maduro, a partir do qual será liberado o óvulo após administração de gonadotrofina coriônica humana (hCG). GONAL-F® deve ser administrado segundo um esquema de injeções diárias, simultaneamente com a lutropina alfa. Dado que essas pacientes são amenorréicas e têm uma reduzida secreção de estrogênio endógeno, o tratamento pode ser iniciado a qualquer momento. O tratamento deve ser adaptado à resposta individual de cada paciente, avaliada por ecografia, através da medição das dimensões do folículo e pelo nível de estrogênios. Um regime posológico recomendado inicia-se com a administração diária de 75 UI de lutropina alfa e com 75 a 150 UI de FSH. Se um aumento da dose de FSH for considerado adequado, o ajuste da dose pode ser efetuado, de preferência após intervalos de 7 a 14 dias e, preferencialmente, com incrementos de 37,5 a 75 UI. Pode ser aceitável prolongar a estimulação em qualquer dos ciclos até cinco semanas. Quando se obtém uma resposta ótima, deve ser administrada uma única injeção de hCG, de 24 a 48 horas após as últimas injeções de GONAL-F® e de lutropina alfa (Luveris®). Recomenda-se que a paciente tenha relações sexuais no dia da administração de hCG, bem como no dia seguinte. Como alternativa, pode ser efetuada uma inseminação intra-uterina. Pode ser necessário um suporte da fase lútea, uma vez que a ausência de substâncias com atividade luteotrófica (LH/hCG) após a ovulação pode conduzir a uma falência prematura do corpo lúteo. Caso seja obtida uma resposta excessiva, o tratamento deve ser interrompido e o hCG não deve ser administrado. O tratamento deve ser reiniciado no ciclo seguinte, com dose de FSH inferior à do ciclo anterior.

Reações adversas

Reações locais no local da injeção, febre e artralgias têm sido relatadas também após administração de urofolitropina e gonadotropina humana da menopausa. Sob tratamento com GONAL-F® a possibilidade de um hiperestímulo ovariano deve ser levada em consideração. Os primeiros sintomas de um hiperestímulo ovariano são: dor na região baixa do abdome, possivelmente em combinação com náuseas, vômitos e ganho de peso. Em casos sérios, porém raros, uma síndrome de hiperestímulo ovariano com ovários aumentados pode ocorrer junto com um possível acúmulo de fluidos no abdome ou tórax, bem como complicações tromboembólicas mais sérias. Em casos raros, este último também pode ser encontrado independentemente de uma síndrome de hiperestímulo ovariano. Caso os sintomas citados ocorram com o tratamento de GONAL-F® indica-se um exame médico cuidadoso. O tratamento com GONAL-F® deve ser descontinuado, nestes casos, e o tratamento com hCG para indução da ovulação deve ser abandonado. A incidência de gravidez múltipla é aumentada pelo GONAL-F® como com os outros agentes usados para estimular a ovulação. A maioria das concepções múltiplas tem sido de gêmeos. Na fertilização in vitro (IVF) a gravidez múltipla está relacionada ao número de embriões transferidos. Em casos raros, tromboembolia arterial tem sido associada com terapia de gonadotropina humana da menopausa/gonadotropina coriônica humana. Isto pode ocorrer também com terapia de GONAL-F®/hCG. No caso de pacientes do sexo masculino, GONAL-F® usualmente não é efetivo nos casos em que os níveis sangüíneos de FSH estão elevados e são indicadores de dano testicular.

Interações medicamentosas

© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa