PEDIATRIA AMBULATORIAL 2a Edição - Capítulo 85 Hábitos Bucais

Fonseca - 85  . Cândida Augusta Rebêlo de Moraes Guerra. Maria Goretti de Souza Lima. Veronica Maria da Rocha Kozmhinsky. INTRODUÇÃO. Os hábitos bucais costumam resultar da repetição de um ato com determinado fim, tornando-se com o tempo resistente a mudanças. Instalam-se porque são agradáveis e proporcionam satisfação e prazer ao indivíduo. Inicialmente, há a participação consciente na realização do ato, o qual gradativamente, pela repetição, se automatiza, se aperfeiçoa e se torna inconsciente.. Com base no efeito que provocam no desenvolvimento do sistema estomatognático, os hábitos bucais podem ser classificados como normais (desejáveis) ou deletérios (indesejáveis). Os hábitos bucais desejáveis englobam as funções que contribuem para o estabelecimento de uma oclusão normal e favorecem a liberação do potencial de crescimento facial em toda sua plenitude, sem desvios. Essas funções exigem o uso correto da musculatura intrabucal e facial durante a respiração, a deglutição, a mastigação e a postura.. Os hábitos bucais nocivos ou indesejáveis são assim considerados porque podem alterar o padrão regular do crescimento craniofacial e a fisiologia oclusal, sendo os principais aqueles que incluem....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2017 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa