Compêndio de Neurologia Infantil – 2a edição - Capítulo 77 - Craniossinostose

FONSECA - 77 Geraldo Pianetti. EMBRIOLOGIA. Na vida embrionária, as vesículas encefálicas são contidas por uma membrana de origem mesenquimal, na qual se observa a formação de tecido osteocartilaginoso. Os ossos que irão formar a base do crânio, filogeneticamente mais antigos, têm origem cartilaginosa, crescem por sincondrose e se fundem logo após o nascimento, à exceção do esfeno-occipital, que permanece aberto até a adolescência. A calota craniana, de origem membranosa, composta pelos ossos frontais, parietais, parte de esfenoide, escama do occipital, processo zigomático e porção escamosa dos temporais, é constituída a partir da sexta semana de vida intrauterina pela união de centros de ossificação, que vão separando a membrana mesenquimal em dois folhetos.16 O folheto externo dará origem ao pericrânio e o interno à dura-máter, ambos com poder osteogênico. Em torno do quinto mês de vida intrauterina, a maior parte da calota craniana já está formada e os ossos separados por zonas de não ossificação, identificadas como sendo as fontanelas e as suturas. As fontanelas são a anterior ou bregmática, localizada na junção dos ossos parietais e frontais, a posterior ou lambdoide, na união dos parietais e occipital,....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2017 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa