Compêndio de Neurologia Infantil – 2a edição - Capítulo 57 - Doença Cerebrovascular na Infância e Adolescência

FONSECA - 57 EPIDEMIOLOGIA. A doença cerebrovascular (DCV) na infância, ao contrário da observada no adulto, é relativamente rara e geralmente associada a condições severas e, algumas vezes, de origem genética. A incidência anual é de 2,52 casos por 100.000 em Rochester, Minnesota (Shoenberg e cols., 1978).. FISIOPATOLOGIA. Os achados fisiopatológicos mais comuns da DCV são a interrupção do fluxo sanguíneo cerebral (FSC) para parte do cérebro e a ruptura de vasos sanguíneos com sangramento para o parênquima cerebral.. Os sistemas carotídeo e vertebrobasilar são responsáveis pela maior parte da circulação cerebral, e podem ocorrer anastomoses desses sistemas no nível do círculo de Willis e de vasos menores nas leptomeninges. O FSC é inversamente proporcional à resistência cerebrovascular (RCV) e diretamente proporcional à pressão arterial. Outros fatores do mecanismo da autorregulação incluem a perfusão cerebral e a pressão intracraniana (PIC). O aumento na concentração do dióxido de carbono produz dilatação dos vasos intracranianos e aumento do FSC, enquanto o aumento da concentração do oxigênio resulta em sua redução por vasoconstrição. No neonato....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2017 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa