EMERGÊNCIAS MÉDICAS - Capítulo 20 - Emergências Hipertensivas

Untitled Document Maria Aparecida Braga. Introdução Qualquer forma de hipertensão arterial poder causar crise hipertensiva. O fator determinante maior é a hipertensão arterial por si mesma e não a etiologia da hipertensão arterial. Em determinadas situações, a rapidez no aumento da pressão arterial parece ser mais importante do que seus níveis absolutos e uma redução imediata se impõe. Usualmente existe importante elevação, com pressão diastólica acima se 120 a 130 mmHg. As crises hipertensivas são classificadas com bases no estado do paciente em: emergências e urgências hipertensivas, com  a primeira requerendo uma redução imediata nos níveis da pressão arterial, enquanto a segunda uma redução nas 24-48 horas. Os níveis das pressões sistólica, diastólica e arterial média, não distinguem as duas entidades. Elas são diferenciadas pela presença ou ausência de dano agudo e progressivo do órgão alvo (cérebro, coração, rins e retina). Emergência hipertensivarefere-se  a um nível de elevação da pressão arterial associada com lesão de órgão alvo em evolução, enquanto urgência hipertensivasignifica....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2017 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa