Manual de Urgências em Pronto Socorro - Parte 02 - Urgências Clínicas - Capítulo 49 - Crise Hipertensiva

Maria Aparecida Braga. I. Introdução. Crise hipertensiva designa várias situações clínicas em que ocorre elevação da pressão arterial sistêmica (geralmente com pressão diastólica acima de 120 a 130 mmHg) acompanhada por sintomatologia, na maioria das vezes em pacientes previamente hipertensos. Em indivíduos previamente normotensos, a crise hipertensiva pode instalar-se com elevação da pressão arterial em níveis de 150/100 mmHg. A incidência da crise hipertensiva vem diminuindo com o tratamento adequado da hipertensão arterial. Esta situação engloba as emergências e as urgências hipertensivas. O objetivo primário do tratamento das crises hipertensivas é o controle seguro da pressão arterial.. Nas emergências hipertensivas, há elevação crítica da pressão arterial com deterioração clínica e progressiva lesão de órgãos-alvo, com risco de morte, o que exige intervenção imediata com medicação parenteral, em ambiente de terapia intensiva (Quadro 49.1). O acidente vascular encefálico isquêmico e o edema agudo de pulmão são as lesões em órgãos-alvo mais frequentes....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2017 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa