Manual de Neurologia - 9ª Ed. - Capítulo 12 - Esclerose em Placas

A esclerose em placas, com início no adulto jovem e evolução prolongada, é uma das afecções mais freqüentes em regiões com clima semelhante ao da França. Sua incidência, com 40 a 60 casos por 100.000 habitantes, significa que, no mínimo, 30.000 franceses são atingidos.. . O termo esclerose em placas (EP), assim como seus sinônimos, esclerose múltipla, esclerose disseminada, acentua o caráter anatômico fundamental da doença: lesões de dimensões limitadas, dispersas no espaço e no tempo. Essas lesões localizam-se exclusivamente na substância branca do sistema nervoso central. Sua disseminação desordenada é responsável pelo polimorfismo clínico; a constituição em forma de episódios autônomos tem como conseqüência a evolução descontínua.. . A etiologia da doença é desconhecida, mas a natureza inflamatória do processo enquadra a EP no grupo das leucoencefalites.. . ANATOMIA PATOLÓGICA. . * Cada uma das lesões elementares constitui um foco de desmielinização que se estende nas três dimensões e ocupa um determinado volume. Esse foco surge na superfície da medula ou em cortes no sistema nervoso central, como uma área cinzenta e opaca sobre a substância branca:....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa