Terapia Intensiva em Pediatria - Seção 14 - Sedação, Analgesia e Bloqueadores Neuromusculares- Capítulo 59 - Sedação, Analgesia, Bloqueio Neuromuscular e Síndrome de Abstinência

Zelma de Fátima C. Pessôa . “Hoje eu quero paz de criança dormindo...” . Dolores Duran . Introdução . A partir de 1995, considerando as recomendações do American College of Critical Care Medicine (AACCM), da Society of Critical Care Medicine (SCCM), o uso apropriado de sedativos, analgésicos e bloqueadores neuromusculares (BNM) constitui um objetivo universal entre os intensivistas pediátricos, uma vez que pacientes admitidos em salas de terapia intensiva são continuamente submetidos a experiências desagradáveis e estímulos nocivos, necessitando de métodos medicamentosos ou não para o controle da dor, da ansiedade e da agitação. . Estudos anteriores descrevem a inadequação do tratamento da dor e da ansiedade em lactentes e crianças. Revisões nas décadas de 1970 e 1980 relatam que crianças recebiam menos analgésicos no pós-operatório (PO) que os adultos. Sabe-se, entretanto, que a dor é um dos mais adversos estímulos experimentados por crianças e adultos, podendo ocorrer como conseqüência da doença de base, do tratamento e/ou dos meios diagnósticos utilizados. . Estudos....

Divulgação



Publicidade

conteúdos relacionados



© 2000 - 2019 Bibliomed, Inc. Todos os Direitos Reservados contato imprensa