Capítulo 11 - Fármacos Utilizados em Ressuscitação Cardiorrespiratória

Oxigênio

Mecanismo de Ação

O oxigênio administrado produzirá aumento da tensão de oxigênio arterial e da saturação de hemoglobina, melhorando a oxigenação tecidual e aumentando a concentração de oxigênio no sangue.17

Indicações

- Hipoxemia;
- Parada cardiorrespiratória;
- Correção da acidose (a ventilação alveolar adequada é o fator fundamental para o controle do equilíbrio ácido-básico durante a parada cardíaca. A hiperventilação corrige a acidose respiratória através da remoção do dióxido de carbono.);
- Alívio da dor produzida pela isquemia miocárdica.

Dosagem

Durante a parada cardiorrespiratória a administração de oxigênio deverá ser de 100% através de ambu-máscara, intubação endotraqueal, cânula de traqueostomia. Em outras situações a dosagem depende das condições e modos de administração de oxigênio (cânula nasal, nebulização, máscara de Venturi etc).

Precauções

- Toxicidade;
- Doença obstrutiva pulmonar crônica.

Cloridrato de Epinefrina (adrenalina)

Mecanismo de Ação

A epinefrina é uma catecolamina endógena que atua estimulando os receptores alfa e beta-adrenérgicos. É o principal fármaco a ser usado em todas as modalidades da parada cardiorrespiratória. Os principais efeitos são: - aumento da resistência vascular sistêmica;

- aumento da pressão de perfusão gerada pela compressão torácica externa;
- aumento da freqüência cardíaca;
- aumento da atividade elétrica miocárdica;
- aumento do fluxo sangüíneo cerebral e coronariano;
- aumento da contratilidade miocárdica;
- aumento da automaticidade;
- aumento do vigor na fibrilação ventricular, favorecendo a conversão da fibrilação fina (baixa amplitude) em fibrilação grossa (alta amplitude), que é mais sucetível à desfibrilação elétrica.

Indicações

- Fibrilição ventricular;
- taquicardia ventricular sem pulsação;
- assistolia;
- atividade elétrica sem pulso.

Dosagem

Adulto

- 1,0 mg por via intravenosa (IV) em bolo a cada 3 - 5 minutos
dose intermitente diária: 2-5mg IV em bolo a cada 3-5 minutos
dose escalonada: 1-3-5 mg IV em bolo a cada 3 minutos
dose alta: 0,1 mg/Kg IV em bolo a cada 3-5 minutos
- via endotraqueal: diluída com 10 ml de água destilada ou soro fisiológico a 0,9%, a dosagem de epinefrina deverá ser de 2,0 a 2,5 vezes a dose por via endovenosa
- infusão contínua IV: 30 mg de epinefrina diluídos em 250 ml de soro glicosado a 5%
- agente vasopressor: 1 mg de epinefrina diluído em 250 ml de soro glicosado a 5%, na dose de 1g/minuto.

Criança

- dose preconizada: 0,01 mg/kg (diluir 1 ml de adrenalina em 10 ml de água destilada ou soro fisiológico a 0,9%) por via IV ou intra-óssea;
- dose por via endotraqueal: adrenalina pura na dose 0,1 mg/kg ou 0,1 ml/kg.

Precauções

- Aumenta o consumo de oxigênio pelo miocárdio;
- Inativa quando administrada com soluções alcalinas;
- Quando administrada por via venosa periférica podem ocorrer isquemia e necrose como resultado de extravazamento.

Sulfato de Atropina (atropina)

Mecanismo de Ação

A atropina é um fármaco parassimpaticolítico que reduz o tônus vagal pela sua ação vagolítica cardíaca. Os efeitos apresentados são:

- acelera a freqüência do nódulo sinusal;
- melhora a condução atrioventricular;
- pode restaurar o ritmo cardíaco.

Indicações

- Bradicardia sinusal sintomática;
- bloqueio atrioventricular;
- assistolia ventricular;
- atividade elétrica sem pulso.

Dosagem

Adulto

- bloqueio atrioventricular/bradicardia sinusal sintomática: 0,5-1,0 mg IV em bolo a cada 3-5 minutos;
- assistolia: 1,0 mg em bolo a cada 3-5 minutos;
- dose total : 3 mg (0,03-0,04 mg/kg);
- dose por via endotraqueal: 1 a 2 mg diluídos em 10 ml de água destilada ou soro fisiológico a 0,9%.

Criança

- dose por via IV: 0,02 mg/kg, sendo a dose mínima 0,1 mg e a máxima 0,5 mg na criança e 1,0 mg no adolescente. Pode ser repetida a cada 5 minutos.

Precauções

- Piora a isquemia miocárdica;
- Irrita o miocárdio.

Lidocaína (xylocaína)

Mecanismo de ação

A lidocaína é o fármaco de escolha para a supressão das arritmias associadas ao infarto agudo do miocárdio e cirurgias cardíacas. Atua preferencialmente sobre o miocárdio isquêmico.2,53,54

Indicações

- Extra-sístoles ventriculares polimórficas, bigeminadas, fenômeno "R sobre T ", mais de 6 por minuto;
- Taquicardia ventricular;
- Fibrilação ventricular depois da desfibrilação e adrenalina.
Dosagem

Adulto

- fibrilação ventricular, taquicardia ventricular: 1,5 mg/kg em bolo, seguido de 1,5 mg/kg em 3-5 minutos e o total de 3 mg/kg
- profilaxia da fibrilação ventricular: 0,5 mg/kg IV em bolo, total de 2mg/kg
- infusão de manutenção: 2 mg a 4 mg/minuto
- pode ser administrada por via endotraqueal
- dosagem reduzida: débito cardíaco diminuído, disfunção hepática, pacientes com mais de 70 anos.53

Criança

- a dose utilizada é de 1 mg/kg, que pode ser seguida de infusão contínua de 20 a 50 mcg/kg/minuto.

Precauções

- Reações tóxicas são manifestadas através de sintomas ligados ao sistema nervoso central, como: alteração do nível de consciência, contrações musculares, dislalia;
- superdosagem pode causar tromboflebite no local da infusão, distúrbios neurológicos, como vertigem, visão turva, convulsão, inconsciência e parada respiratória e, também, distúrbios circulatórios como hipotensão, choque, bradicardia, bloqueio atrioventricular.53

Bicarbonato de Sódio

Mecanismo de ação

O bicarbonato de sódio é um agente alcalinizante que aumenta o pH sangüíneo e urinário, fazendo com que o potássio sofra desvio intracelular.Nas últímas décadas tem se demonstrado que seu uso pode ser deletério, pois nas fases iniciais da ressuscitação os agentes tampões não devem ser utilizados, já que determinam hiperosmoralidade plasmática, hipernatremia e alterações neurológicas.2,53,54

Reage com íons H + na acidose metabólica:

HCO2 + H+ = CO2 + H2O

Indicações

- considerar na parada cardíaca depois de instituído o tratamento definitivo: desfibrilação, compressão torácica externa, intubação endotraqueal, hiperventilação, adrenalina e antiarrítmicos;
- hiperpotassemia;
- acidose metabólica preexistente;
- overdose de barbitúrico;
- ressuscitação prolongada.

Dosagem

Adulto

- 1 mEq/kg inicialmente, repetindo a intervalos de 10 minutos.

Criança

- A dose preconizada é de 1 mg/kg/dose ou 1 ml/kg do bicarbonato de sódio a 8,4% ou 3 ml/kg da solução a 3%. Para os recém-nascidos, recomenda-se a dose de 0,5 mg/kg/dose.

Precauções

- Piora da acidose (formação de CO2 e retenção);
- Hiperosmolaridade e hipernatremia;
- Alcalose metabólica;
- Hipocalemia aguda.

Cálcio (gluconato de cálcio)

Mecanismo de ação

Os íons de cálcio aumentam a força de contração miocárdica e a formação do impulso elétrico no coração. O Consenso Nacional de Ressuscitação Cardiorrespiratória refere que não existem benefícios comprovados no emprego do cálcio na ressuscitação, podendo mesmo ser deletério (lesão cerebral pós-anóxica).17

Indicações

- hipercalemia;
- hipocalcemia;
- toxicidade por bloqueadores do canal de cálcio.

Dosagem

Adulto

- 5 a 8 ml de gluconato de cálcio.

Criança

- 5 a 7 mg/kg (0,5 a 0,75 ml/kg de gluconato de cálcio).

Precauções

- Administração rápida pode causar hipotensão;
- Não deve ser administrado junto com bicarbonato de sódio.

Sulfato de Magnésio

Mecanismo de ação

A finalidade da administração de magnésio é para repor e manter o nível de magnésio sérico.

Indicações

- Taquicardia ventricular (torsade de pointes);
- taquicardia ventricular e fibrilação ventricular refratária com hipomagnesemia;
- arritmia ventricular pós-infarto com hipomagnesemia.

Dosagem

- 2 ampolas em 100 ml de soro glicosado a 5%.

Precauções

- Hipotensão;
- Assistolia;
- paralisia respiratória;
- hipocalemia;
- depressão dos reflexos.

Procainamida (procamide)

Mecanismo de Ação

A procainamida é eficiente na supressão de arritmia ventricular, como nos complexos ventriculares polimórficos e na taquicardia ventricular recorrente.

Indicações

- extra-sístoles ventriculares;
- taquicardia ventricular recorrente;
- taquicardia ventricular complexa (lidocaína - adenosina - procainamida).

Dosagem

- 500 mg (5 ml) de procamide diluídos em 15 ml de soro fisiológico, sendo administrados 30 mg/minuto. Dose máxima: 17 mg/kg;
- dose de manutenção: 1-4mg/minuto;

Critérios de interrupção da dosagem: - hipotensão;

- alargamento do QRS maior que 50% do original;
- reversão da arritmia;
- administração da dose máxima.

Precaução

- Hipotensão.

Tonsilato de Bretílio

Mecanismo de Ação

O tonsilato de bretílio é um composto quaternário de amônia utilizado no tratamento da taquicardia ventricular e fibrilação ventricular recorrente. Sua ação cardiovascular é:

- elevação do nível plasmático de catecolaminas;
- ação bloqueadora adrenérgica pós-ganglionar, que freqüentemente induz à hipotensão.

Indicações

- Reversão da fibrilação ventricular após falharem a desfibrilação elétrica, a adrenalina e a lidocaína;
- Continuar apresentando fibrilação ventricular mesmo com o uso da lidocaína;
- Se lidocaína e procainamida falharem no controle da taquicardia ventricular.53

Dosagem

- Fibrilação ventricular refratária: 5 mg/kg em bolo, seguidos de desfibrilação elétrica;
- Fibrilação ventricular/parada cardíaca persistente : a dose pode ser aumentada para 10 mg/kg e repetida a cada 5 minutos (dose total: 30-35 mg/kg);
- Taquicardia ventricular persistente: 5-10 mg/kg diluídos em 50 ml de soro glicosado a 5% por via IV, durante 8 a 10 minutos;
- Dose de manutenção: 2 mg/500 ml de soro glicosado a 5% para infundir 1-4 mg/minuto.

Precauções

- Hipotensão postural, que pode ser refratária a adrenalina;
- Náusea e vômito com administração rápida da injeção.

Copyright © 2000 eHealth Latin America